Posts by MSM Natureza

Fotos de Natureza – Castelejo Noturno

Posted by on Sep 8, 2013 in Blog | 0 comments

Fotos de Natureza – Castelejo Noturno

Fotos de Natureza – Castelejo Noturno Observar é essencial …   Em cada local que visito tento ter uma visão criativa e única. Ter o pré-conhecimento dos locais é importante  da mesma maneira que o pré-estudo das marés, da lua e outros pormenores técnicos são importantes. Mas chegar, observar, estar atento e com todos os sentidos ativos pode ser decisivo. A Praia do Castelejo, junto a Vila do Bispo tem algumas particularidades que poucas praias do Costa Vicentina têm. Para começar é uma praia, muito acessível. A estrada fica a poucos metros do areal. Já no escuro da noite é possível ver a via láctea a olho nu. Mas devido ao seu carácter selvagem, o seu areal tem uma particularidade que nunca tinha observado em nenhuma outra praia. O fenómeno chama-se Noctiluca, é uma alga unicelular que tem luminescência. Essa luminescência acontece por duas razões : a areia não poder ser nem muito seca nem muito molhada, existe um meio termo na quantidade de água que a areia contém para o fenómeno ser identificado e só é visível quando pressionada, libertado através de um processo químico uma certa quantidade de luz. Com o simples movimento de andar na praia, as nossas peugadas ativam essa propriedade luminosa da alga. Fui a esta praia para tentar integrar este fenómeno numa imagem que não fosse documental mas a relação de luminosidade não permite que o meu equipamento capte absolutamente nada. O simples acto de ver é por si só incrível e extraordinário. Com a minha intenção de fotografia desfeita, esta fotografia que vos deixo foi portanto obra da observação. Tirada no passado mês de Julho, as condições eram ótimas, a maré vazia permitia um ligeiro reflexo que daria interesse ao primeiro plano. A luz intensa, é a luz do restaurante e para atenuar essa mesma luz esperei que o nevoeiro chegasse ao local certo e achei que o céu e as estrelas se complementavam para formar uma imagem. Perante o resultado, finalmente a fotografia que na minha opinião dignifica o Castelejo Nocturno foi conseguida.   Castelejo Noturno O nevoeiro assenta na areia, e dá sentido ás luzes da noite. No céu as estrelas junta-se em maioria na via láctea. Parque Natural Costa Vicentina   O seu nome (obrigatório) O seu e-mail (obrigatório) Assunto A sua...

Read More

Fotos de Natureza – Terrascape – Bolsa de Filtros Graduados

Posted by on Feb 5, 2013 in Blog | 0 comments

Fotos de Natureza – Terrascape – Bolsa de Filtros Graduados

Fotos de Natureza – Terrascape – Bolsa de Filtros Graduados   A Terrascape, marca portuguesa de acessórios de fotografia, convidou-me para testar o seu último produto, uma bolsa de filtros. Começo por dizer que adorei. À muito que procurava uma bolsa que correspondesse às minhas expectativas e se adaptasse às minhas necessidades. Encontrei!!! Transporta filtros de diferentes medidas de 100mm e de 85mm. Outra característica é a versatilidade no posicionamento, é possível colocá-la no cinto das calças mas graças a uma simples alça, facilmente se adapta a uma posição cruzada junto ao peito. Sem dúvida um equipamento obrigatório para quem faz fotografia de paisagem. Um obrigado à Terrascape na pessoa do Paulo Dias que me apresentou esta magnifica bolsa para filtros graduados. Aqui ficam alguma imagens registadas por Hélio Cristóvão para a promoção deste produto da Terrascape. Link do Facebook  |  Link do Anúncio na Terrascape Marco Santos Marques – Fotos de...

Read More

Fotos de Natureza – Poldros

Posted by on Jan 16, 2013 in Blog | 0 comments

Fotos de Natureza – Poldros

Fotos de Natureza – Poldros Desta vez vou mostrar-vos um trabalho diferente do que tenho mostrado até então. Os cavalos e os animais em geral, são uma paixão, e após esta experiência ainda mais. Opiniões e comentários são sempre bem-vindos…  Marco Santos Marques – Fotos de Natureza – Poldros O seu nome (obrigatório) O seu e-mail (obrigatório) Assunto A sua...

Read More

Fotos de Natureza – Relatos de um Outono na Serra da Estrela

Posted by on Jan 13, 2013 in Blog | 0 comments

Fotos de Natureza – Relatos de um Outono na Serra da Estrela

O Outono acabou, o seu pico de cor já passou. Nestes dois dias no parque Natural da Serra da Estrela, setenta por cento do tempo esteve sempre a chover. Tecnicamente não é fácil, a verdade é que mais tarde ou mais cedo acabamos por abandonar o local para “secar” baterias. Ao mesmo tempo a própria chuva acaba por ser o motivo fotográfico incontornável para além das cores de Outono. Nada mais idílico do que fotografar após cair chuva durante quarenta e oito horas. Esta fotografia feita no Covão d’Ametade,  é um dos únicos momentos em que a chuva parou, pedi a um dos fotógrafos amigos que me acompanhavam,  para fazer estremecer uma árvore de modo a que caíssem gotas, sobre o motivo. “Gotas de Chuva” – Covão d’ametade,  P. N. Serra da Estrela   Ao final da tarde e pela primeira vez o sol incidia diretamente sobre o bosque ensopado, a cor  transforma a cena.   “Raios de cor” – Estrada do Poço do Inferno, P. N. Serra da Estrela   Outro momento sem  sol em que as nuvens dominavam as montanhas.    “Lençol de nuvens sobre árvores em cor de Outono” – Mata de São Lourenço, P. N. Serra da Estrela Escrito e fotografado por Marco Santos Marques. O seu nome (obrigatório) O seu e-mail (obrigatório) Assunto A sua...

Read More

Fotos de Natureza – Utilização de filtros graduados neutros através da objetiva

Posted by on Jan 13, 2013 in Blog | 0 comments

Fotos de Natureza – Utilização de filtros graduados neutros através da objetiva

Fotos de Natureza – Utilização de filtros graduados neutros através da objetiva   As câmaras digitais produzidas nos dias de hoje, têm uma grande capacidade dinâmica de captar uma imagem, entre 6 a 8 stops. Como termo de comparação posso referir que o rolo utilizado nas câmaras analógicas tem uma capacidade bastante inferior de 4 a 5 stops. Mas na realidade uma imagem tem de ter um contraste entre 3 e 4 stops para ter um nível de edição ideal. Se a imagem a fotografar tiver uma gama dinâmica superior a 4 stops, algumas das tonalidades na imagem não serão registadas no ficheiro, principalmente nos extremos mais claros e mais escuros. O resultado é uma imagem muito contrastada e com possibilidade de edição reduzida. Para tal não acontecer é necessário utilizar filtros de densidade neutra graduados. No mercado, estão disponíveis em diversos tamanhos e intensidades, com transição suave e dura, adequando-se às diferentes situações.No exemplo em baixo como mantendo o valor de exposição medido no primeiro plano, controlamos a imagem com um filtro graduado neutro. A primeira imagem não tem qualquer filtro, por isso o céu não tem qualquer informação. A segunda o filtro certo. A terceira um filtro sobre-doseado retirando à imagem a diferenciação de contraste real e necessária.    Para saber qual o filtro a utilizar é necessário medir a imagem a capturar. Com a câmara em modo manual, é necessário identificar qual a zona mais clara e a zona mais escura da imagem. Com a opção de medição ponderada ao centro ativada, ou mesmo a opção de spot que ainda é mais precisa, é necessário medir essas zonas e anotar a diferença entre elas. Por exemplo, com abertura f/16 e iso100 escolhidos, medimos a zona mais clara, lemos 1/15. Na zona mais escura lemos 0,5 segundos. Temos uma diferença de 3 stops. Temos que manter sempre uma diferença de 1 stop entre o céu e o primeiro plano (se for mais filtrado, a relação de tonalidade será “irreal”). Ou seja, se colocarmos um filtro de 2 stops (0,6ND) no céu, mantendo a leitura mais escura de 0,5 segundos, conseguimos uma relação aceitável de contraste e consequentemente um ficheiro com grande flexibilidade de edição. Se a relação de tons for maior ou menor teremos que utilizar o filtro que mais se adeque à situação.  O filtro utilizado foi de transição suave devido à linha incerta onde a luz muda    abruptamente, assim o ponto de transição é impercetível. Este filtro não tem qualquer tendência de cor. Para melhor precisão na colocação do filtro basta pressionar o botão de visualização de profundidade de campo, quando estamos coloca-lo, a linha de transição será mais facilmente detetada.  “Samouqueira” –  Foto Finalizada Dados técnicos: 0,5 seg. @ f/16 iso100, nd gr 0.6 suave Como informação complementar o post “Expor à direita”, deve ser tido em conta no contexto deste post. PS: Fotografar em RAW é obrigatório 🙂 Escrito e fotografado por Marco Santos Marques O seu nome (obrigatório) O seu e-mail (obrigatório) Assunto A sua...

Read More
Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On Google PlusVisit Us On PinterestVisit Us On YoutubeVisit Us On Linkedin